Descrever imagens II

Descrição de uma tempestade

O mar revolta-se contra os portugueses. Violento e bruto envolve as naus dos lusos, como a serpente abraça a sua presa. A nau majestosa e elegante flutua nas ondas parecendo frágil como uma casca de ovo, inclina-se vertiginosamente para quase ser engolida pelo mar negro. Aterrorizados, os marinheiros, não desistem e tentam manter o barco ao rumo. As velas da nau erguem-se como uma planta ao nascer. O céu assustador, escurece como a noite.

Os lusos embora amedrontados seguem viagem. Lá ao fundo, lembrando a luz do fim de um túnel começa a aclarar. O episódio mais marcante já tinha passado, mas pior estava para surgir.

Luísa Manso, 8º


Esta entrada foi publicada em Descrição, Escrever... com as tags . ligação permanente.

Deixe uma resposta