Descrever Imagens IV

A PARTIDA DAS NAUS

Viam-se no horizonte algumas nuvens, ameaçando atormentar o longo caminho que os corajosos marinheiros portugueses tinham pela frente. Grandes tendas elevavam-se por entre as numerosas pessoas que se aglomeravam na pequena praia de onde, em breve, os portugueses partiriam em busca da tão ambicionada terra das riquezas e especiarias, denominada Índia. O mar, envolvia as gloriosas naus portuguesas na sua serenidade inagualável, e chamava-os à  descoberta.

Rita Tomé, 8º ano

O céu está preenchido por nuvens carregadas de água que o tornam negro e feroz.

O mar, revolto, puxa a nau para o seu interior. O vento fere as velas, tornando-as trapos velhos, rotos e rasgados pelo tempo. O seu mastro, partido pela assustadora garra do vento e da chuva, baloiça de um lado para outro.

A nau, perdida na imensidão do oceano, envolvida por ondas de tortura, deixa-as entrar no seu interior feito de madeira resistente. Esta, inclinada, empurrada pelo vento, procura um lugar seguro e um pouco de calma.

Luzia Cruz, 8º ano


Esta entrada foi publicada em Descrição, Escrever... com as tags . ligação permanente.

Deixe uma resposta