Contos a partir de notícias II

Fiambre ao Reino Unido

Viveu em tempos uma padeira que assentava o seu negócio em Londres.

Farta da repetitiva vida, baseada em fazer pão e mais pão, quis fazer algo da vida, alguma coisa diferente e partiu numa viagem pelo mundo. Com ela levou apenas um grande pão, uma corda e algum dinheiro para se alimentar.

Durante a viagem ia apanhando tesouros. Primeiro, encontrou abandonado e ferido um porco. Curou-o e amarrou-o à sua corda para que a acompanhasse.

A meio da viagem encontrou um grande campo cheio de alfaces. Decidiu apanhar uma.

Por fim encontrou, perto das alfaces, outro campo, mas desta vez cheio de tomates. Apanhou uns quantos, guardando-os e preservando-os como tesouros.

Em tão poucas horas, já tinha passado por muitos campos, embora todos fossem perto de Londres. Tinha tão pouco dinheiro e apenas lhe restavam os seus tesouros.

Cansada e triste, decidiu voltar à velha Londres. Lá, apercebeu-se de que a sua padaria tinha sido assaltada e apenas tinham deixado um pequeno forno, que não era o seu. “Devem ter trocado o meu forno com o velho deles”, pensou a padeira. Frustrada, tentou deitar todos os seus tesouros para o forno, mas eles não cabiam lá. Por isso, fatiou o pão e o porco e cortou a alface e os tomates. Atirou tudo lá para dentro e ligou o forno, à espera de que se fizesse um milagre e do forno saíssem milhares de moedas de ouro. Realmente fez-se um milagre, e do forno saiu dinheiro. Quero dizer, não propriamente em forma de moedas, mas em forma de comida. Uma comida que futuramente levaria a milhões de milhares de dinheiro.

A padeira começou a sentir um cheiro apetitoso vindo do forno e foi lá ver. Os seus ingredientes lá estavam. Ela provou-os todos juntos e estavam sensacionais. Pensou em abrir um novo negócio, mas tinha de mudar a aparência do preparado. Fez um outro pão, abriu-o ao meio e colocou lá os ingredientes. Provou e gostou do que saboreou.

Estes pães vendiam muito, e deram-lhe tanto dinheiro que se tornou uma burguesa das mais ricas do Reino Unido. Os seus cozinhados foram chamados de “sandwich” e espalharam-se por todo o mundo.

Diogo Carmali e Leonor Fonseca, 8º ano


Esta entrada foi publicada em Escrever..., Texto narrativo com as tags . ligação permanente.

Deixe uma resposta