Uma lágrima, uma pessoa

Uma lágrima chora,
chora por dentro e por fora.

Fizeram-lhe mal, algo aconteceu,
caiu de uma cara, mais uma se desvaneceu.

Vem outra lágrima, alegre e sorridente,
esta tem futuro, um caminho pela frente.

Mais duas ou três,
mas lá caiem elas, de novo, outra vez.

Um bocadinho mais acima
está uma pessoa,
sem alegria,
sem coragem de leoa.

Na cara da pessoa morreu a felicidade,
Triste e só
Sem cumplicidade.

Mas um sorriso apareceu
logo  de seguida,
fez-se uma mulher
de cabeça erguida.

Gonçalo Lopes


Esta entrada foi publicada em Escrever..., Poesia com as tags . ligação permanente.

Deixe uma resposta