O preto

O preto sou eu.
Encontro-me no escuro,
nos mantos do plebeu.
Nas sombras do muro,
lá estou eu.

Nos funerais
estou muito acentuado.
Se alguém de preto, não comparecer
até fico pasmado!
De todas as maneiras o preto não é macabro.

A dor e o desespero,
sou eu que os represento.
Comigo em plano de fundo,
é melhor ficares atento!

O preto é o preto,
não há mais nada a dizer.
Só sei que sem mim,
não conseguirias viver.

Ana Carolina Cunha, 6º


Esta entrada foi publicada em Escrever..., Poesia com as tags . ligação permanente.

Deixe uma resposta